Motivação no trabalho: coaching ou liderança?

Um bom salário ao final do mês há muito já deixou de ser sinônimo de motivação no trabalho. O que as pessoas buscam hoje vai além disso.

Segundo pesquisas recentes, o que motiva funcionários são os seguintes tópicos:

  • Autodeterminação
  • Estimulação
  • Hedonismo
  • Realização
  • Poder
  • Segurança
  • Conformidade
  • Tradição
  • Benevolência
  • Universalismo

Obviamente, você não precisa investir em todos esses aspectos para motivar sua equipe, mas é necessário que se foque em algum – ou alguns – deles.

Mas, antes de começar a trabalhar nisso, você precisa conhecer o perfil do seu colaborador. Saber quais são suas aspirações, suas metas. Por isso, um bom bate-papo é sempre bem vindo, para que você possa conhecê-lo melhor e ele a você e à empresa.

Coaching é a solução para a falta de motivação no trabalho?

Muitos associam a ideia de um choaching à motivação no trabalho, mas a realidade é que o coaching vai muito além disso. O processo de coach diz respeito ao autoconhecimento do indivíduo.

Por isso, ele pode ser, sim, uma etapa que o leve à motivação no trabalho. Mas, mais do que isso, o coach busca ajudar o coachee (cliente) a encontrar suas metas e objetivos – tanto pessoais quanto profissionais.

Então no nosso caso, o coaching, apesar de uma solução muito boa e abrangente, pode ser substituído por um modelo de gestão que busque compreender o funcionário, entendendo suas principais motivações e visando sempre engajá-lo.

Vantagens de um funcionário engajado

Ao alinhar as perspectivas de um colaborador com o trabalho que ele realiza dentro de uma empresa, ele sente-se valorizado. E essa é uma das maneiras de engajar um profissional.

Um funcionário engajado em uma empresa produz mais, além de produzir melhor.

Isso acontece porque, ao se sentir motivado no ambiente de trabalho, a pessoa transmite essa satisfação para outros campos da vida, além de afetar seu comportamento, saúde e bem-estar.

Percebendo um funcionário desmotivado

Um gestor mais experiente consegue visualizar um colaborador que não esteja motivado ou engajado. Mas, mesmo assim, cabem algumas dicas para que você possa identificar casos como esse e tomar as devidas providências.

O que algumas vezes pode ser identificado como deslealdade à empresa ou mesmo preguiça, pode se caracterizar como desmotivação. Alguns sinais dessa desmotivação seriam a falta de entusiasmo nas atividades, aumento do número de reclamações, baixa qualidade na entrega de tarefas, relutância na colaboração em equipe e conflitos constantes.

Ao perceber esses sinais, é interessante que o gestor saiba, primeiramente, a causa da desmotivação.

A origem pode vir de dois lugares distintos: algum fator externo à empresa ou as condições em que a tarefa é realizada.

E, apesar de ser possível identificar um funcionário desmotivado, é interessante que se trate isso de maneira preventiva. Para isso, mantenha um ambiente de trabalho que seja favorável a todos.

Incentive a formação

Uma das maneiras de a liderança manter sua equipe engajada e motivada é a constante capacitação.

Primeiramente, essa é uma ferramenta vantajosa para a empresa, já que a capacitação de alguém que já conhece os processos internos sai muito mais barata do que a contratação e ensino de uma pessoa nova.

E, além disso, o colaborador, ao perceber esse investimento que está sendo feito nele, se sentirá valorizado perante a empresa.

Informação acima de tudo

Outra maneira de manter a motivação no trabalho é manter seu colaborador informado. Ao lhe apresentar uma nova tarefa, dê a ele o panorama geral. Informe o que vem antes, o que vem depois e qual a importância que ele terá no todo.

Além disso, após terminado o projeto, apresente os números referentes ao trabalho que ele realizou.

Pesquisas revelam que reconhecimento do mérito e participação em decisões afetam a motivação de um funcionário. Por isso, sempre o mantenha informado e peça opiniões, de acordo com sua especialidade.

O feedback também é uma importante ferramenta para o gestor. Será por meio dessa ferramenta que poderá se desenrolar uma conversa produtiva para ambas as partes.

Tome parte

Abrace sua equipe. Defenda-a perante seus superiores e o restante da empresa. Dessa forma, seus funcionários irão perceber a importância que você dá para o trabalho deles.

E, além disso, participe das rotinas do setor, acompanhando de perto as tarefas que estão sendo realizadas.

Critique quando precisar, e também elogie quando assim convier. Coloque a mão na massa.

Proponha novos desafios

O motivo da falta de motivação no trabalho muitas vezes pode ser a falta de desafios. Por isso, traçar metas pode ser também uma boa maneira de trazer motivação à sua equipe.

É necessário que sejam metas alcançáveis, ou será um tiro no pé. Mas, de qualquer forma, ao traçar metas e objetivos para sua equipe, o gestor estará propondo novos desafios e estimulado sua equipe a pensar “fora da caixa”.

Essa tática atingirá um dos pontos que citamos ao início do artigo, a “estimulação”.

Mantenha um clima agradável

De nada utilizar de todas essas táticas se o clima organizacional não for agradável. Um bom gestor deve estimular o bom relacionamento tanto dentro quanto fora do setor.

As pessoas sentem necessidade de criar laços, e manter amizade e companheirismo no ambiente de trabalho é um forma de se alcançar esse objetivo.

Concluindo

Ao finalizar a leitura desse artigo, podemos ver como a motivação no trabalho também é responsabilidade dos gestores – sejam do setor ou mesmo os responsáveis pelo RH.

Ao motivar funcionários, os gestores estão não somente estimulando-o como pessoa, mas também sua produtividade. Por isso, é importante seguir essas dicas, para que sua equipe torne-se mais produtiva e humanizada.

Caso você tenha mais alguma dica para compartilhar conosco, deixe nos comentários.

Topo