As férias são um direito dos colaboradores que estão sob o regime da CLT, Consolidação das Leis do Trabalho. No entanto, é responsabilidade do RH e DP seguir as diretrizes para garantir os direitos dos trabalhadores. Caso contrário, a empresa pode ser obrigada a conceder férias em dobro ao funcionário.

Essa situação pode surgir devido a diversos fatores. Portanto, é importante ter um profundo conhecimento das regras e direitos trabalhistas para evitar a concessão de férias em dobro aos funcionários.

Embora as férias dobradas sejam uma realidade, é importante destacar que representam um custo significativo para a empresa. Para uma compreensão mais aprofundada desse tema, elaboramos este post, onde discutiremos os principais pontos relacionados ao assunto. Vamos nessa?

O que são férias em dobro?

Como vimos na introdução, todo trabalhador sob o regime CLT possui o direito às férias.

Contudo, não observar determinadas normas estabelecidas nas leis trabalhistas pode resultar na obrigação do empregador em pagar as férias em dobro, ou seja, duplicar o benefício para os funcionários que não tiraram suas férias no período correto (concessivo).

É importante destacar que as férias em dobro não constituem um benefício adicional, mas sim uma consequência para garantir que as empresas estejam em conformidade com as regras pertinentes a esse direito dos trabalhadores.

Por essa razão, é fundamental que os setores de RH e DP estejam constantemente atualizados sobre esses direitos, para evitar o descumprimento de qualquer norma. Caso contrário, a empresa pode ser compelida a pagar uma forma de indenização ao funcionário, representando, assim, uma penalização para a empresa.

Como funcionam as férias em dobro?

No contexto de férias em dobro, todos os valores devidos ao trabalhador referentes às férias, como salário, adicionais e variáveis, devem ser pagos em dobro no momento do vencimento do período, caso o empregado não usufrua do benefício.

Além disso, as empresas também precisam pagar o adicional de 1/3 sobre o valor das férias em dobro ao funcionário.

vídeo youtube

É relevante notar que o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a inconstitucionalidade da Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a qual estipulava o pagamento em dobro de férias concedidas no período correto, mas pagas com atraso.

Atualmente, de acordo com a decisão do STF, as férias serão pagas em dobro apenas quando ultrapassarem o período concessivo do colaborador, enquanto o pagamento em atraso acarretará uma multa administrativa.

Para uma compreensão mais clara desses pontos, considere os principais aspectos abaixo:

  • Período Concessivo: O empregador tem a obrigação de conceder o descanso ao funcionário dentro do período concessivo, geralmente 12 meses após o período aquisitivo, correspondente a um ano na empresa; 
  • Concessão no Prazo: Se a empresa concede as férias dentro do prazo, ou seja, durante o período concessivo, o pagamento ao trabalhador segue as regras normalmente, incluindo o salário do período de descanso mais um terço constitucional; 
  • Concessão Fora do Prazo: Caso o empregador deixe de conceder as férias no período concessivo, o funcionário tem direito ao pagamento em dobro, o que implica o dobro do valor, incluindo o salário e o terço constitucional. Além disso, a empresa deve conceder o período de férias o mais rápido possível.

O que diz a lei sobre as férias em dobro?

O direito às férias está nos artigos 134 e 137 da CLT, enfatizando que, nessas circunstâncias, apenas o pagamento das férias é dobrado, não o período de descanso em si. Em outras palavras, os 30 dias de descanso por período aquisitivo são mantidos, mas o pagamento é feito em dobro.

O artigo 134 da CLT estabelece o prazo em que a empresa precisa conceder as férias ao funcionário. Veja o que a lei diz na íntegra:

“Art. 134 – As férias serão concedidas por ato do empregador, em um só período, nos 12 (doze) meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito.”

De acordo com o artigo 137 da CLT, se o período de férias não for dentro do prazo de 12 meses, a empresa deve efetuar o pagamento da remuneração em dobro pelo período.

Quanto à Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que anteriormente estipulava o pagamento em dobro quando as férias eram concedidas na época certa, mas pagas com atraso, o Supremo Tribunal Federal (STF) a considerou inconstitucional.

Agora, a empresa só deve pagar em dobro se não conceder as férias no prazo de 12 meses após o período aquisitivo, conforme previsto na CLT.

A revogação da Súmula 450 teve como objetivo principal alinhar a interpretação das regras de férias, eliminando contradições e divergências nas decisões trabalhistas.

Entre as decisões do STF, destaca-se a incompatibilidade com a CLT, a contradição com a jurisprudência do TST e a necessidade de uniformização do entendimento para proporcionar clareza e segurança jurídica ao tema.

Essa revogação alinha o entendimento às disposições da CLT e à jurisprudência mais recente, evitando conflitos de interpretação entre tribunais e garantindo uma aplicação consistente da legislação trabalhista.

Como calcular as férias em dobro?

A principal referência para calcular o pagamento das férias em dobro é a data limite para o término do período concessivo. Em outras palavras, se a empresa concedeu o direito no último mês, não existem férias em dobro.

Contudo, se o término do período concessivo ultrapassar o limite por um dia, será necessário efetuar o pagamento em dobro referente a esse dia e assim por diante, até alcançar o total de 30 dias em dobro.

Para exemplificar o cálculo de férias em dobro, vamos considerar um profissional com salário bruto mensal de R$2.000,00. Dessa forma, o valor da remuneração bruta de férias seria de:

R$2.000,00 + 1/3 constitucional (R$666,67) = R$2.666,67.

Agora, vejamos os próximos passos para calcular as férias em dobro:

Suponhamos que tenha se passado 1 mês desde o encerramento do período concessivo deste profissional. Portanto, ele receberá a remuneração de férias em dobro;

Agora, é só dobrar o valor bruto das férias:

R$ 2.666,67 x 2 = R$ 5.333,34.

Como evitar esse tipo de situação?

Não cumprir os prazos de pagamento ou não conceder as férias pode acarretar em dores de cabeça e despesas significativas para a empresa. Essa situação pode ser evitada com alguns cuidados básicos.

Então, a melhor forma para evitar as férias em dobro é uma boa gestão da jornada de trabalho dos funcionários.

E uma abordagem eficaz para lidar com esse tipo de desafio é adotar sistemas de controle de jornada, como o Fortime, sistema de ponto da Ortep. Esse sistema assegura o controle das horas trabalhadas e de todo o período do colaborador na empresa, o que evita passar o período concessivo.

O sistema é altamente personalizado, fornecendo informações detalhadas sobre cada colaborador, independentemente de suas escalas de trabalho ou forma de trabalho (externo, presencial, híbrido ou home office).

Clique na imagem abaixo, entre em contato com nossos especialistas e faça um teste grátis e veja na prática como o Fortime pode ajudar a gestão do seu RH e DP.

economize-tempo-dinheiro-e-papel-com-registro-de-ponto-digital

Danielle Braga

Danielle - Grupo Ortep

Online

Olá, sou a Danielle Braga, Especialista Comercial aqui na Ortep. Bora revolucionar seus processos através dos nossos produtos? Por favor, me informe:

    Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você autoriza a Ortep a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.